Mito ou prática saudável? Ainda adotado em vários lares, o consumo de água mineral causa impacto relevante no orçamento doméstico. Por isso, vale a pena ter dimensão do quanto pode custar esse hábito desnecessário e saber como economizar dinheiro com filtro residencial, sem abrir mão da pureza da água.

Além do gasto excessivo, outro grande problema da água mineral está em sua armazenagem e distribuição. Isso porquê a produção de garrafas plásticas contribui para o esgotamento de recursos naturais não renováveis e seu descarte gera toneladas de lixo, poluindo o meio ambiente.

Infelizmente, também é comum ter informações sobre o comércio de água mineral em condições impróprias para o consumo humano, por estar contaminada com a bactéria Pseudomonas Aeruginose, além de coliformes, limo, sujeira e mofo.

Por outro lado, beber água diretamente da torneira pode causar sérios danos à saúde da família. Embora haja tratamento, na maioria das cidades brasileiras as tubulações que levam água às residências estão inadequadas.

A boa notícia é que para consumir água de qualidade e economizar nas contas de casa, basta adquirir filtros ou purificadores eficientes. Entenda melhor a seguir.

Gastos excessivos com água mineral

Existem diversos tipos de água mineral no mercado. As versões mais conhecidas são a água mineral sem gás, a água mineral com gás e as águas conhecidas como terapêuticas.

Elas são captadas de fontes naturais como nascentes, riachos ou diretamente do subsolo. A despeito de serem consideradas saudáveis, a ingestão demasiada de sais abundantes na água mineral é prejudicial ao organismo.

Aquelas que são comercializadas em garrafas de vidro apresentam custo mais elevado, por isso o mais comum é a distribuição em embalagens plásticas com tamanhos de 500 ml e 1,5 litro, além dos garrafões de 5 litros e 20 litros.

Em valores atualizados, um fardo com 12 garrafas de 500 ml contendo água mineral sem gás tem preço médio de R$ 13,64. Considerando um consumo recomendado para um adulto, de ao menos 2 litros por dia, o gasto mensal per capita chega a R$ 136,40. Numa residência com 4 moradores, já são R$ 545,60 por mês e R$ 6.547,20 por ano.

Qualidade duvidosa da água "tratada"

Mesmo que a água saia do tratamento em condições aceitáveis, ela é sujeita a contaminação no percurso até chegar às residências. E porque isso acontece? A maioria das tubulações nas cidades brasileiras está em idade avançada, possibilitando o desprendimento de materiais e partículas. Canos subterrâneos e tanques de água corroídos ou sujos podem afetar a qualidade da água e até prejudicar a sua saúde

Além disso, vazamentos e outros problemas na rede expõem o líquido a diversos agentes contaminantes, como lodo, barro e areia. O excesso de cloro utilizado para o tratamento também pode causar gostos e odores desagradáveis.

A solução para esses problemas está na adoção de Filtros de Ponto de Entrada (POE), ou seja, logo que chega à residência ou filtros de Ponto de Uso (POU), feitos para pias, máquinas de lavar e chuveiros.

Além do consumo de água mais saudável, os filtros auxiliam diretamente a preservar melhor as roupas, evitar manchas, o ressecamento da pele a cabelos e, ainda, prolongar a vida útil de diversos eletrodomésticos. Desta maneira, colaborando muito para economizar nas contas de casa.

Diferença da água mineral e água filtrada

Tanto a água mineral como a água filtrada são consideradas apropriadas para o consumo humano. Isso examinando quatro características essenciais: não ter gosto, não ter cheiro, não ter cor e não ter microrganismos causadores de doenças.

No entanto, sem o devido manuseio, os galões de água mineral ficam expostos a diversos contaminantes no trajeto entre a fábrica e a casa do consumidor.

O mais perceptível é a poeira, mas existem outros fatores ainda mais perigosos. O contato com pragas como ratos e baratas, cuja urina contém microrganismos transmissores da Leptospirose, cólera, hepatite infecciosa, amebíase, entre muitas outras doenças.

Além destes graves perigos, o plástico das embalagens precisa ser mantido em temperaturas brandas, o que nem sempre ocorre em um país com clima tropical como o Brasil. O grande malefício para a saúde humana é que o calor estimula a liberação na água da substância BPA, ou bisfenol-A, que está relacionada a:

  • Problemas hormonais;
  • Doenças cardíacas;
  • Câncer;
  • Diabetes.

Por outro lado, quem se interessa em saber como economizar nas contas de casa, precisa estar atento à enorme diferença de preço. Veja o exemplo a seguir para entender melhor.

Na compra de 300 galões de água mineral você gastaria pelo menos R$ 4,2 mil, ao passo que filtros e purificadores são capazes de tratar com eficiência os mesmos seis mil litros de água, custando em média de R$ 65 a R$ 250.

Saiba como economizar dinheiro com filtro residencial e escolher o melhor filtro para sua casa no texto: "Conheça os modelos de filtros que existem no mercado!"

Água pura é fonte de saúde

A vida surgiu da água. Ela corresponde a 70% da composição do organismo humano e é indispensável no seu bom funcionamento. A desidratação pode causar fadiga, dores de cabeça e aumentar o risco de infecções nos rins.

A água regula a temperatura do corpo, através da transpiração, e elimina as toxinas. A elasticidade da pele também depende de uma boa hidratação, além de manter os músculos e articulações lubrificados, evitando cãibras.

Também precisamos da água para a higienização dos alimentos e dentro do organismo ela é responsável pelo transporte dos nutrientes.

Para manter a saúde em dia, bem como economizar nas contas e evitar os impactos causados pelas garrafas plásticas ao meio ambiente, prefira utilizar filtros e purificadores eficientes em vez do consumo de água mineral.

Esteja atento e certifique-se, antes de comprar, se a marca é fiscalizada pelo INMETRO, apresentando na embalagem o selo de qualidade.